segunda-feira, 28 de maio de 2012

domingo, 27 de maio de 2012

TE QUERO

Te quero como quiser no âmago
Dos meus sentimentos
Sou tua perdição colada em ti...assim
Sinto falta de teus beijos molhados,
Meu corpo sente falta do teu conchego
Te quero amor
Me tenha como tu queira apenas diga
Sou tua escrava no amor dissipo minhas dores
Te quero amor
No encontro das águas, no mar afoito
Se a tempestade chegar corra pra mim
Te quero amor

MENDUIÑA

sábado, 26 de maio de 2012

TE GUARDO

A CHUVA LENTA

Volta p´ra mim.


A
chama
do amor
arde em mim.
Por ti peno em vão.
Extingo-me com a distância.

Vem,
Volta
pr´a mim.
Acarinha-me,
Acolhe-me em ti.
Não resisto sem teu fascínio.


Imagem: Google

Respeite os direitos autorais.

Mardilê Friedrich Fabre

Anjos


Que esse Coro de Anjos
embale tua noite.
E que a fresca do sereno
lave os caminhos
que a tua estrela percorre.
Que haja brilho de Luar
e versos em todo caminhar;
e venha a branca Aurora,
que aos poucos se mostra,
sorrir teu novo dia.
E que nele, cada alegria
seja efetiva alforria,
pois livre é o Destino
de todo passarinho.
Pois livre, é o colo
que tu torna ninho.

           

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Na intimidade...



Quando todas as estrelas se apagam,
Deixando aqui, um rastro de saudade,
Os corpos apaixonados se afagam
Com amor, carinho e intimidade.

Misturas de sentimentos alagam
Os olhos, denotam tenuidade...
Felizes, os pensamentos divagam,
Transformam sonhos em realidade.

Cúmplice dos casais enamorados,
A lua permanece escondida.
Enquanto os corações abrasados,

Preferem adiar a despedida...
É bom vê-los assim - entrelaçados -
Sussurra e ri, a lua embevecida.

Sandra Lamego

quarta-feira, 23 de maio de 2012

À flor da pele...



Os mais suaves toques de carícia
provocam tentadores devaneios,
num sorriso de ternura inconfundível.

Sobre um tapete branco e macio,
almofadas coloridas espalhadas,
como se pétalas aveludadas fossem.

Eis que o doce aroma da imaginação
desperta um sonho de amor à flor da pele.

Sandra Lamego

AS DORES

terça-feira, 22 de maio de 2012

Da essência do amor...



Da essência do amor, eu busco o sentido.
Perco-me em reminiscentes desejos,
já com o coração enfraquecido...

Tentando colar os cacos – sobejos-
desse meu coração desprotegido,
procuro livrar-me de tantos pejos,

de um tempo em que o desejo era pecado,
e amar – era um segredo bem guardado.

Sandra Lamego

domingo, 20 de maio de 2012

Identidade...

Há quanto tempo te conheço?
Talvez tempo o suficiente
Pra te virar do avesso
E antecipar tuas falas
Ainda que não digas nada...
Essa identidade tão maluca 
Que me permite olhar no espelho
E ver o meu rosto
Mas enxergar o teu coração...

Ilza Nascimento

Felino



Encurrala-me teu olhar felino
Que me hipnotiza e me deixa indefesa.
Subjuga-me teu encanto leonino.

Para ti, experiente caçador
Que sabe a hora certa, fui fácil presa.
Conquistou-me teu jeito sedutor.

Ao mesmo tempo manso e traiçoeiro,

Atingiste meu coração-cordeiro.



Mardilê Friedrich Fabre
Consulesa Poetas Del MundoSão Leopoldo – RS

Imagem: Google

Respeite os direitos autorais.

RECICLAGEM

                                             Bela arte da cara amiga Maria A. Leal.

FERA

                                             Bela arte, da cara amiga Safira...

sábado, 19 de maio de 2012

A Verdade


A verdade é mais
que a soma dos fatos.
Talvez mais que a
intenção dos atos,
pois os caminhos levam
os desejos e as vontades;
e os deuses
forjam as possibilidades.
A Verdade, Homens,
paira-nos acima
e caminha entre
o que desconhecemos.
Atados aos seus liames
só andamos seu cercado,
buscando em toda fábula
a porta do Gárgula.
Mas são inúteis as tentativas
e o preço da resignação
é a burra acomodação,
ainda que tanto se diga não.
Títeres, nem reagimos;
sonhamos apenas
com o fim dos Coronéis
e a sinceridade dos bordéis.
Folhas, voamos ventos infiéis
e pseudos bacharéis
arengamos estar a Verdade
no vinho dos tonéis
e na revelação dos
Molotvs Coquetéis.
Mas a Verdade não se dá.
Vivamos seu simulacro.
A sombra que nos é permitida
e nela busquemos,
a paz consentida.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

TESTAMENTO

imagem: google


Sei que não sou nada
e nem procuro ser.
Só faço viver
e seguir minha estrada.

Não procuro ter
o que não posso levar.
Ter o suficiente pra viver
é o meu lema.

Minha fortuna está nos poemas
que eu vou deixar,
para quem quiser “investigar”.

Posso morrer sem ser nada
porque fiz minha caminha
tentando me encontrar.

A. J. Cardiais

SEM SAMBA E VIOLA

imagem: google - Heitor dos Prazeres - Moenda


Cada dia para mim
está parecendo o final.
Acordo, olho em volta...
Cadê meu carnaval?

Eu vivia iludido.
Hoje estou perdido,
no meio da realidade
da vida:

Não ando ligeiro,
não caço dinheiro...
Meu ano inteiro
só tem fevereiro.

Aqui nesta selva
só tem lobo mau.
Pra mim, fantasia
não é só carnaval.

Sem samba e viola
minha alma chora...
Mas algo me diz
que vou ser feliz
no final.

A. J. Cardiais
14.05.2012

MULHER NA PRAIA

imagem: google


Suja de areia, bife à milanesa.
Ah, quanta beleza
a caminho do mar.

Feminina no compasso
vem menina, faz-me um laço...
Não me importo de me enforcar.

A. J. Cardiais 

POR SER SIMPLES

imagem: google


Talvez eu tenha agido errado
por querer ser simples
neste mundo “sofisticado”.

Talvez eu tenha pecado
por não ter lutado
para ter mais e mais.

Nunca lutei para ter mais...
Sempre busquei ser feliz
e viver em paz.

A. J. Cardiais

VIAJEI

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Para Romeu



Teu amor tão desinteressado, tão sincero,
Me encanta a cada dia
E varre da alma o vazio
De um dia duro, amargo,
De encontros austeros, imagens apagadas
Que não perduram! Ainda bem...
Pois abro a porta e tu vens,
Carinhoso e meigo,
A me derramar amor...

Ilza Nascimento
Curitiba, 16 de maio de 2012

terça-feira, 15 de maio de 2012

Despertar...



Displicentemente – olhou-me.
Num gesto de ternura – tocou-me.
Com versos de amor – conquistou-me.

Afotunada, poderosa, embevecida, feliz...
Progressão aritmética – resultado parcial
de um sonho poeticamente emoldurado.

Mesmo num dia cinza de chuva torrencial,
gotas coloridas de carinho despertam-me.

Sandra Lamego

MEU CORPO

Ella




Ella vem desabrochar
Em meu jardim
É um poema raro
Em forma de botão

Desenhando em passos firmes
Seu porvir
Faz do corpo brincadeira,
A caçoar de mim

Ella, que pouco conheço
Que me deixa tão sério
Chega quando adormeço
Solução de um mistério

Que jamais vou saber
Nem poder decifrar

Ella, natureza perfeita
Tudo seu é ousado
Mostra a coisa bem feita
Num andar abusado

Que jamais vou saber
Por onde começar

Ella, que viola meus sonhos
E me torna um errante
Sou refém de um perfume
Um cavaleiro andante

Que jamais vai saber
Qual caminho tomar

Ella, que imagino tão nua
Hoje é meu desatino
Traz segredos da lua
Ah eu sou tão menino

Tenho muito a aprender
Tenho tanto a ensinar

Germano Ribeiro

DO ALTO

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Apenas sonhando...



Às vezes, só o silêncio me basta.
E foi lá, em meio ao verde das montanhas,
numa longa e silenciosa caminhada,
ouvindo o canto dos pássaros,
que mergulhei e meditei ...

Por fim, reencontrei meu eu interior.
Vagava meio trôpego,
perdido em constantes devaneios.
Nem ébrio nem sóbrio...
-apenas sonhando-

Sandra Lamego

domingo, 13 de maio de 2012

Delicadeza

"Com a delicadeza de uma pena
Que do pássaro se desgarra e voa
Tu entras na minha lembrança dia após dia
Trazendo a alegria que a alma precisa
Pra acordar de manhã e ser. Simplesmente ser
E viver, e amar, e compreender
Que precisamos de tão pouco pra seguir adiante
E não nos tornarmos discrentes,
E sermos de fato constantes 
Na esperança que nos mantem firmes, vivos, vibrantes..."

Ilza Nascimento

O AMOR

Acalanto



por quantas noites
embalei
teu sono
julgando
que eras meu

contando estórias
e murmurando
canções
eu te ninava
com carinho
fazia de meu braço
o teu ninho
e o teu adormecer
sorrindo
bastava
pra me deixar feliz

filhos crescem
cortam laços
soltam-se
de nossos abraços
vão pro mundo

siga, siga
o teu caminho
se tu queres
vai sozinho

mas saibas
filho querido
que meus braços
ficam vazios
e o coração
repartido
esperando
teu retorno
rezando
baixinho
por você
meu bebê
meu filhotinho


Helenice Priedols

Paraplégica


A moça
das pernas mortas,
afasta a tristeza
sem viço
e passa por chão
tão ouriço.
O homem tenta
um assunto,
mas o intuito
não faz um conjunto.
Divaga a moça
das pernas mortas,
outras veredas retortas.
A si só lhe importa
o que há atrás
de sua porta.

Afaga a barriga, abrigo
doutro tanto de vida
que à Vida dará
e sonha Sonhos,
que sabe risonhos.

                 Às mães.

PARABÉNS MÃES POETAS!!!

  Que o dia de hoje seja pura POESIA!!

  É O QUE DESEJA A DIRETORIA NACIONAL DO PORTAL DO POETA BRASILEIRO.

ALINE ROMARIZ

TERESA AZEVEDO

TECO SEADE

FLÁ PEREZ

MARIELA MEI

AFRANIO MOSCARDINI

ANA LAGO DE LUZ

CLEIDE BARBOZA

 

 

Para Sempre

Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

sábado, 12 de maio de 2012

MERCADO DAS ARTES


imagem: ajcardiais.blogspot.com


Enquanto alguém
não te descobre
a tua arte é pobre,
não vale um vintém.

Depois que um “graúdo”
te apresenta ao mundo,
a tua arte é tudo.

A. J. Cardiais

BEM LÁ NO FUNDO



Eu caio, levanto,
choro, canto...
Me aborreço, entristeço.
Me estresso, enlouqueço.

Xingo, brigo, reclamo,
blasfemo...

 Amo
e vou vivendo
com uma coisa
me dizendo:

Seu vagabundo,
bem lá no fundo,
você é que é feliz.

A. J. Cardiais