sexta-feira, 15 de abril de 2011

PARÁFRASE DA "CANÇÃO DO EXÍLIO" (DE GONÇALVES DIAS)



Meu país tinha palmeiras,
Lá cantava o Sabiá;
Que hoje quase não canta
Porque poucos deles há.

Nosso céu, tem sim, estrelas,
Mas, nas várzeas não há flores,
Nossos bosques têm queimadas,
Há mais ódio e desamores.

Ao deitar, todas as noites,
A lembrar ponho-me cá;
Daquelas lindas palmeiras,
Do canto do Sabiá.

Meu país tinha primores,
Mas já não os vejo cá.
Ao lembrar –sozinho, à noite-
Quanta tristeza me dá!
Onde estão minhas palmeiras,
Onde anda o Sabiá?

Permita-me, Deus que eu morra,
Sem que  tenha de ver cá;
Mais depredação das matas
E a extinção do Sabiá,
Destas matas brasileiras
Qu’igual no mundo não há.

Miriam Panihghel Catvalho

3 comentários:

  1. Grande, Miriam Panihghel Catvalho - Seus versos simples em paráfrases, demonstram não ser mesmo necessária a antipatia e arrogâncias dos "istas" consertadores do mundo, que só arranjam encrencas e inimigos. Este, suponho, seja o caminho: simplicidade e firmeza. abraço:

    ResponderExcluir
  2. vadia burra não manja das paráfrase +fik xiu #vlwflw

    ResponderExcluir

O PORTAL DO POETA BRASILEIRO AGRADECE SEU COMENTÁRIO!