segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Até as pedras me falam

Até as pedras me falam


Nos caminhos que palmilho
até as pedras me falam;
contam-me histórias tristes
de outros que aqui passaram
- e choraram;
falam também de crianças
que sobre elas brincaram
- estas riam;
uma moça passou chorando
outra nem sequer sorriu;
um homem andava apressado,
um velho arrastava os pés.
Foram tantas histórias
várias, de gente
- diferente
que pisou o mesmo chão.

Nos caminhos que palmilho
até as pedras me falam.

2 comentários:

  1. Lindo texto de estreia!!!

    ResponderExcluir
  2. SEJA BEM VINDA, LU
    LINDAS ESSAS PEDRAS TATUADAS PELO TEMPO

    ResponderExcluir

O PORTAL DO POETA BRASILEIRO AGRADECE SEU COMENTÁRIO!