quinta-feira, 30 de junho de 2011

Somos um.



Éramos dois quando nos conhecemos,
ficamos um quando nos entendemos.
Sublime, sutil, imortal momento
que despertou dormente sentimento.
Eu, rarefeita, em ti me desintegrei
e me perdi, e me extraviei, e me entreguei...
Perfeita e harmônica interação:
em uníssono, um coração
e apenas uma alma em plena oblação.



Respeite os direitos autorais.

Mardilê Friedrich Fabre

http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=4389

2 comentários:

  1. Um Poema, uma Poesia, a qual nos dá a harmonia de ler, entender e viver... É assim a vida de um Poeta, afinal somos Poetas, artistas da vida, Poetas como somos e nos dispomos pelos Poetas que somos!!! SOMOS UM, Parabens, João Sávio dos Santos Lima (Poeta Pernambucano).

    ResponderExcluir
  2. Joao Sávio dos Santos Lima3 de setembro de 2011 21:24

    A vida de um artista não se resume em fantasias, tem de ter poesia...

    V O A R
    (Um vôo em louvor da liberdade)
    *João Sávio dos Santos Lima.


    Eu quero ser lívre e voar...
    Voar; alto, baixo, rasante
    Apenas quero voar como antes
    Rever a grandeza do horizonte
    Ver do alto o planeta água...
    Poder contemplar e desfrutar da sua beleza
    Sentir a natureza...
    Respirar o ar sem impurezas
    Voar, neste céu azul
    Eu quero apenas voar!...
    Ver a mancha-verde, do alto
    Usufruir de todo o seu espaço
    Poder voar baixo
    Sem sentir o forte calor das quimadas
    Quero beber e banhar-me nas límpidas águas
    Depois, embrenhar-me nas matas
    Descobrir sua fáuna, flóra, mistérios e segredos
    Poder voar lívre sem sentir medo
    De caçadores e armadilhas
    Quero voar, pousar, andar nas trilhas
    E sob uma sombra, num final de tarde, descansar!...
    Na manhã seguinte, despertar, me refazer
    Silenciarem-se todos os pássaros
    E como num passe de encanto e magía
    Ouvir o canto de um majestoso sabiá
    Parecendo um acalanto
    Ao ponto de me fazer delirar!...
    E se me surgir um Uirapurú
    O pássaro músico da mata
    Que com sua exuberância e maestría
    Soltar no ar uma linda melodia, uma poesia
    Uma suave valsa à soar igual
    O som doçe da flauta

    Eu sou apenas um pássaro...
    Sou o tempo e o vento que passa
    Aqui, contido, no interior desta mata
    Só me resta cantar e louvar
    Para que a liberdade
    Um dia, volte a à raiar...
    -Eu sou apenas um pássaro e quero apenasvoar!!!

    ResponderExcluir

O PORTAL DO POETA BRASILEIRO AGRADECE SEU COMENTÁRIO!